Rede Cidades e Vilas de Excelência referido como “boa prática”, ao nível da Saúde Pública portuguesa

O XI Encontro Nacional de Médicos Internos de Saúde Pública (ENMISP) teve início hoje e decorrerá até ao dia 19 de outubro, em Leiria, com o tema A Voz da Saúde Pública. A Presidente do Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade, Eng.ª Paula Teles, pertenceu ao painel de oradores da sessão plenária, intitulado “Geografia, urbanismo e saúde: o potencial para intervenção da Saúde Pública“.

Esta sessão tem como objetivos, entre outros, reconhecer o planeamento urbano como um fator para o bem-estar e saúde das populações e conhecer intervenções efetivas em mobilidade e urbanismo. Nesta sessão, o projeto Rede Cidades e Vilas de Excelência foi referido como uma “boa prática” ao nível da Saúde Pública, em Portugal, assinalando, assim, um momento histórico importante para o Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade e para a Rede de Cidades e Vilas com Excelência.

O ENMISP é um evento científico organizado pelas Comissões de Médicos Internos de Saúde Pública, que serve como catalisador de ideias, diálogo e reflexão sobre a atualidade e inovação na área. Com uma periodicidade anual desde 2011, este ano celebra a sua 11ª edição, com o tema A Voz da Saúde Pública. Ao longo de edições anteriores permitiu a união entre médicos internos e partilha de experiências entre os que dedicam a sua vida à Saúde Pública como promotores, intervenientes ou parceiros nos mais diversos terrenos de intervenção.

O ENMISP é um momento ímpar no calendário anual de trabalho de todos os que constituem e constroem a Saúde Pública em Portugal, marcando sucessivas gerações de profissionais de saúde.

Município avança com Ecovia entre Aeorporto e Praia de Faro

Município de Faro celebrou no passado dia 1 de outubro, mais um contrato para execução de uma importante obra de melhoria da rede viária do concelho. A intervenção faz parte da empreitada de requalificação da estrada de acesso à praia, adjudicada por 690 mil euros.

Trata-se da empreitada de “requalificação da CM 527-1 com construção de ecovia”, que tem como principal objetivo a implantação deuma pista ciclável na estrada municipal que dá acesso à Praia de Faro, no troço Aeroporto / Praia, na freguesia do Montenegro. Com esta intervenção pretende-se dar continuidade à ciclovia existente que termina junto ao posto de abastecimento de combustível, formalizando uma ligação ciclável entre o aeroporto e a Praia de Faro. Por outro lado, prevê-se a execução de uma rotunda no cruzamento da estrada municipal com a estrada Arábia / Quinta do Eucalipto e, ainda, a reconfiguração da entrada na Rotunda do Aeroporto, que passa a ter duas vias para melhor escoamento dos fluxos de trânsito.

A intervenção foi adjudicada à Sociedade Manuel António & Jorge Almeida – Construções, S.A. pelo valor de 690.166,10 euros e, para além da restituição das melhores condições de circulação no tapete rodoviário e respetivas bermas, vem dar resposta à crescente utilização da bicicleta e demais modos suaves registada nos últimos anos, como meio de transporte de vários munícipes e visitantes, bem como melhorar a mobilidade sustentável, promover a prática desportiva e reduzir as emissões poluentes, sem esquecer a salvaguarda de ciclistas e peões.
O contrato segue agora para visto do Tribunal de Contas, ao abrigo das disposições legais em vigor.

in www.cm-faro.pt

Torres Vedras refletiu sobre a Mobilidade no Fórum CIVITAS 2019

Câmara Municipal de Torres Vedras participou no Fórum CIVITAS 2019, que decorreu em Graz, na Áustria, entre os dias 2 e 4 de outubro. Carlos Bernardes, presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras, participou no encontro, que se centrou no debate e na análise da mobilidade urbana sustentável.

“De volta ao futuro” foi o tema da 17ª edição do fórum, que reuniu autarcas, decisores políticos e académicos na mesma cidade austríaca que acolheu a primeira edição, em 2003.

Enquanto membro do Conselho Consultivo Político CIVITAS, Carlos Bernardes participou na reunião daquele organismo, que congratulou as novas orientações do Plano de Mobilidade Urbana Sustentável. Em causa está um “conceito para que as cidades criem as suas próprias soluções, que respondam aos seus desafios e objetivos específicos”.

Os responsáveis defendem que se trata de um “importante apoio” para enfrentar a crise climática, assim como o aumento da população em áreas urbanas e a necessidade de alinhar a mobilidade urbana com as necessidades sociais, económicas e ambientais dos cidadãos.

As considerações deram origem a um documento que foi assinado pelos membros do Conselho Consultivo Político e que recomenda que todas as cidades e áreas urbanas apliquem o Plano de Mobilidade Urbana Sustentável.

in cm-tvedras.pt

Município de Águeda recebeu, hoje, dia 7 de outubro, a Bandeira “Cidade ou Vila de Excelência – Nível III”

Rede de Cidades e Vilas de Excelência atribui, hoje, dia 7 de outubro, na Câmara Municipal de Águeda, a Bandeira “Cidade ou Vila de Excelência – Nível III”, como reconhecimento público do meritório trabalho que esta cidade portuguesa tem vindo a desenvolver no âmbito dos trabalhos de qualificação da cidade.

A Cerimónia foi presidida pelo Presidente da Câmara Municipal de ÁguedaDr. Jorge Almeida, e pela Presidente do Instituto de Cidades e Vilas com MobilidadeEng.ª Paula Teles.

Os fundamentos para tal acontecimento, prendem-se com o grau de evolução da implementação do Plano de Ação Local proposto por Águeda, aquando da adesão à Rede de Cidades e Vilas de Excelência, incidindo nos eixos “Cidade ou Vila Ciclável e de Mobilidade Amigável” e “Cidade ou Vila de Regeneração e Vitalidade Urbana“.

“A mobilidade é o canal que irriga e transporta as pessoas para lugares de encontro” é o título da entrevista a Paula Teles no Jornal de Notícias

Paula Teles refere que “Já há algumas cidades portuguesas a construir territórios seguros, inclusivos e com melhor qualidade de ambiente. Mas a prática dominante ainda é implementar projetos avulsos sem uma estratégia a montante”.

Paula Teles, Presidente do Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade

Planeamento da Mobilidade e Direito à cidade são os temas abordados na entrevista a Paula Teles, presidente do Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade, no Jornal de Notícias, de 14 de setembro de 2019.

Saiba mais jn.pt.

Câmara Municipal de Manteigas recebeu, ontem, dia 12 de setembro, a Bandeira “Cidade ou Vila de Excelência – Nível III”

Rede de Cidades e Vilas de Excelência atribuiu, ontem, dia 12 de setembro, pelas 15h, na Câmara Municipal de Manteigas, a Bandeira “Cidade ou Vila de Excelência – Nível III”, como reconhecimento público do meritório trabalho que esta cidade portuguesa tem vindo a desenvolver no âmbito dos trabalhos de qualificação urbana.

A Cerimónia foi presidida pela Vice Presidente da Câmara Municipal de Manteigas, Dr. ª Célia Morais, e pela Presidente do Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade, Eng.ª Paula Teles.

Os fundamentos para tal acontecimento, prendem-se com o grau de evolução da implementação do Plano de Ação Local proposto por Manteigas, aquando da adesão à Rede de Cidades e Vilas de Excelência, incidindo nos eixos “Cidade ou Vila de Regeneração e Vitalidade Urbana” e “Cidade ou Vila Turística”.

“É preciso mais eficiência no transporte escolar para os pais confiarem e para os alunos ganharem tempo autonomia e socializarem nas deslocações.”

Paula Teles refere que “há muito a fazer em termo de eficiência no transporte casa/escola, de forma a que os alunos não desperdicem tempo e os pais sintam segurança suficiente no sistema para abdicarem da prática de os deixar à porta do estabelecimento de ensino, dando-lhes oportunidade de socializarem e ganharem autonomia ao usarem transportes públicos”.

Paula Teles, presidente do Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade

A transferência destas competências para as autarquias, que está em curso, é uma “enorme oportunidade” para se “trabalhar de forma mais determinada toda a especificidade do transporte escolar”, desde o desenho da rede, aos trajetos, à frequência e aos custos, considera Paula Teles.

Já se estão a dar alguns passos. Desde projetos como o School Bus, em Braga, que testam ideias inovadoras (caixa) a uma nova política de preços, para que chegar à escola em transportes não pese tanto no bolso das famílias.

Planeamento da Mobilidade e Eficiência dos Transportes Públicos são os temas abordados no artigo “Melhores preços e novas lições para chegar à escola” no suplemento do Jornal de Notícias, Urbano, de 1 de setembro de 2019.

Saiba mais jn.pt.

“Brincar com o Pânico” é o título do artigo da Eng.ª Paula Teles, Presidente do Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade, na revista Ingenium

“Brincar com o Pânico – A obrigatoriedade de elaboração de Planos de Mobilidade Urbana Sustentável (PMUS) como forma inequívoca de mitigar as alterações climáticas” por Paula Teles, Presidente do Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade, na 167ª edição da Revista Ingenium.

Saiba mais em ordemengenheiros.pt.

Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade nos 10 finalistas na 10ª edição do Prémio Manuel António da Mota

O Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade tem o gosto e honra em anunciar que foi selecionado como um dos 10 finalistas da 10ª edição do Prémio Fundação Manuel António da Mota 2019, de entre cerca de 200 candidatos. Esta distinção, anualmente atribuída pela Fundação Manuel António da Mota, tem como objetivo premiar a organização e/ou instituição que melhor se destacou na área do desenvolvimento económico, social e ambiental em Portugal.

O Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade congratula-se com esta seleção de que foi alvo, sobretudo, tendo em conta o trabalho continuado de 15 anos de atividade em torno do direito universal à cidade através da adoção de medidas urbanas de mobilidade para todos, de promoção de uma nova cultura de mobilidade, atendendo à redução de emissões de CO2, de atribuição de certificados de acessibilidade e, ainda, na promoção de investigação, estudos e planos que enquadram e organizam a atividade.

Tem, ainda, como principal objetivo a construção de vilas e cidades inclusivas, a utilização de transportes sustentáveis, a defesa e preservação do património histórico, cultural e social e, por fim, o desenvolvimento de solidariedades com pessoas de mobilidade reduzida.

1 2 3 13